Ajudaram dois bebés a nascer

Os Bombeiros de Valadares (Gaia) transformaram-se em parteiros por duas vezes numa noite. Em Vilar do Paraíso, os voluntários tiveram trabalho complicado: encontraram a mãe e o recém-nascido no chão molhado de uma casa de banho exígua.

Faltavam cerca de 15 minutos para as 7 da manhã quando soou o alerta no quartel dos Voluntários de Valadares. "Fomos chamados para acudir a uma mulher com uma hemorragia, em Vilar do Paraíso. Não sabíamos que era um parto. Quando chegámos, demos com a senhora caída no chão de uma casa de banho exterior à habitação, com não mais de um metro quadrado de área e muito húmida, e com o filho já nascido", contou Manuel Sousa, um dos bombeiros que foi parteiro.

"Entrei na casa de banho e não dava espaço para mais ninguém. O meu colega ia passando o material do kit e eu lá cortei o cordão umbilical, limpei o bebé e aqueci–o no meu colo. Entretanto, chegou a equipa da VMER de Gaia e tratámos de transportar mãe e filho para o hospital", contou José Barros, que pouco tempo antes tinha ajudado noutro parto. "Mais uns minutos e poderia ter acontecido o pior, porque a mãe já estava com sinais de hipotermia", acrescentou o bombeiro.

A primeira situação, pelas duas da manhã, foi mais pacífica. José Barros e Carina Silva responderam à chamada para Gulpilhares.

"O pai e a mãe estavam muito nervosos. A bolsa de águas já tinha rebentado há uma hora, mas, como ela ainda não tinha dores, deixaram-se ficar. O problema é que quando começaram as contracções eram muito pouco espaçadas", contou Carina Silva. "A caminho do hospital de Gaia, a senhora entrou em trabalho de parto. Deitámo-la na maca e preparámos tudo para o que desse e viesse", continuou, explicando que, durante toda a viagem, esteve sempre de mão dada com a jovem mãe, Soraia Silva. "Ela só dizia: "Tu não me largues! Tu não me largues até o meu marido chegar", recordou Carina. O bebé, de nome Hélder, tal como o pai, curiosamente ex-bombeiro de Valadares, acabou por nascer no hospital, no corredor de Obstetrícia, na maca onde chegou.

in JN

Um final feliz. Conhece algum caso destes?

Written By

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *