Algumas alterações Psicológicas

psy1
 A gravidez e o pós-natal são fases na vida do casal que causam várias alterações, tanto a nível físico, como a nível relacional, social e psicológico.
Que nem sempre são compreendidas pelo parceiro!


São frequentes as dúvidas, medos, níveis de ansiedade significativos, receios, fantasias, sentimentos específicos e insegurança. Os medos, estes, são frequentes e adequados ao estado da mulher e têm como consequência os cuidados consigo própria e com a gestação do seu bebé. As preocupações estão muitas vezes associadas ao pós-natal, às crenças relativamente à maternidade e paternidade, ao “saber cuidar” do bebé e ter uma capacidade de resposta eficaz.
É fundamental o esclarecimento de todas as dúvidas, num acompanhamento Pré e Pós-Natal especializado, proporcionando a tranquilidade desejada e ajudando o casal a compreender as emoções que irá enfrentar ao longo dos meses de gravidez e no pós-natal.
 Importante também é a procura da diminuição dos níveis de ansiedade, medos e angústia associados à dor física, de forma a adquirir o equilíbrio físico e psíquico.
 Apesar das diferenças individuais, também as reacções variam de gravidez para gravidez, onde esta pode ser vista de forma suave ou violenta ou que proporciona insegurança ou confiança.
 A gravidez é sempre um processo de mudança, e é esta mudança que deve ser aceite, de forma a compreender todas as alterações associadas e adequar estratégias para lidar com as mesmas.
 As alterações psicológicas mais frequentes no casal são a maior dificuldade no controlo de impulsos, instabilidade emocional, maior irritabilidade, vontade de chorar, apreensão, medo, alegria, elevadas preocupações e vulnerabilidade emocional.
 A gravidez pode proporcionar uma sensação de poder, associada à existência de um novo ser dentro de Si, sentindo orgulho pelo corpo grávido. É esta estabilidade emocional que permite a consciência da maternidade e que vai proporcionar o fortalecimento do vínculo afectivo com o bebé.
 A salientar que as alterações psicológicas são comuns quer no Pai, quer na Mãe e que a presença de comunicação entre o casal é fundamental, de forma a que estas não influenciem significativamente o relacionamento e permitam superar possíveis períodos de maior vulnerabilidade de forma mais adequada e eficaz.

Cláudia Madeira
Especialista doBebé
Psicóloga Clínica
Psy HealthyLife
www.psyhealthylife.com 

Written By
More from

Estado vai ajudar mais casais

Infertilidade afecta quinhentos mil casais em Portugal (mais…)
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *