Barrigas de aluguer e a falta de senso

As barrigas de aluguer voltaram às luzes da ribalta, em Portugal com o anúncio de que os partidos com assento na Assembleia da República tencionam estudar uma lei que permita o seu uso quando a mulher tiver sofrido uma lesão irreversível que não lhe permita levar a cabo a gestação, e em Espanha, onde se discute o registo de nascimento de bebés que tenham nascido de uma mãe alugada, mas com o património genético de outra mãe.

Mas embora a ponta do icebergue que apareceu nos dois países seja diferente, o problema é o mesmo: legalizar uma prática que tem sido ilegal, mas a que aparentemente muita gente recorre, sobretudo casais homossexuais que desejam ter filhos, contratando mulheres de países onde é reconhecida (estados dos EUA) ou praticada clandestinamente (Brasil, Índia), num aproveitamento claro da situação economicamente desfavorecida das mulheres. Confesso que a ideia me repugna totalmente, por muito que a veja encarada com naturalidade em séries como Irmãos e Irmãs, onde Kevin e o namorado vão “financiando” as tentativas de engravidar de mulheres, que rodeiam de cuidados para que o bebé nasça nas mais perfeitas condições.

Não concebo que uma mulher alugue o seu corpo como incubadora, nem tão pouco de um bebé que seja meio seu, meio do senhor que lhe compra o serviço, porque não concebo que um filho possa ser um negócio, porque a gravidez cria laços profundos que é leviano ignorar, porque recuso uma nova forma de exploração do corpo, uma exploração cruel que tenha por fim tirar um filho a uma mãe. Mesmo quando não está em causa dinheiro, parece-me um negócio impossível, porque nem com a melhor das intenções conseguimos deixar de ser mães dos nossos filhos, mesmo que se decida que são apenas ‘sobrinhos’, porque não podemos ser generosos com o que não é nosso, e uma criança não é uma propriedade de que podemos dispor. Porque os direitos dos adultos não podem ser superiores aos das crianças.

in Destak

Written By
More from

Ter dois filhos faz bem ao coração

A saúde cardiovascular nas mulheres está relacionada com o número de filhos....
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *