Bebés ecológicos crescem mais saudáveis

Os bebés quando nascem são seres frágeis, e todo o cuidado é pouco com a sua segurança. Com as alternativas ecológicas temos a certeza de que eles não vão ter contacto com substâncias prejudiciais à saúde.  A presidente da Quercus, Susana Fonseca, foi mãe há pouco tempo e deixa conselhos ecológicos para ajudar as crianças a crescer saudáveis.

Dar ao seu filho fraldas, alimentos e roupa natural não é apenas uma questão ambiental. É também zelar pela sua saúde. “Não é difícil encontrar produtos ecológicos para os bebés. Mesmo em Portugal, basta pesquisar na Internet”, diz-nos Susana Fonseca, presidente da Quercus. A ambientalista sabe do que fala, pois foi mãe há três semanas e confessa que perdeu muito tempo a pesquisar soluções mais saudáveis e ambientais para a filha.

O primeiro conselho dado pela recente “ecomãe” é a utilização das fraldas de pano: “São as melhores para a pele do bebé, pois não têm compostos químicos, a que algumas crianças são alérgicas”. Reutilizáveis, não são um resíduo prejudicial ao ambiente, já que as fraldas comuns são um veneno para a natureza: um recém-nascido pode gastar oito ou mais por dia por dia e o facto de 30% delas serem feitas de plástico faz com que uma fralda demore 450 anos a decompor-se.

Susana Fonseca recomenda também detergentes ecológicos para lavar as fraldas, recusando usar amaciador, secá-las na máquina ou passá-las a ferro. Há crianças alérgicas aos químicos dos amaciadores, que poluem os lençóis de água. As altas temperaturas também são dispensáveis na lavagem: “Basta lavar as fraldas a 40 graus e usar um desinfectante biológico.” Secar na máquina é um gasto energético dispensável “num país com tanto sol”, e passar a ferro faz com que percam a capacidade de absorção, conta. Isto serve também para toalhetes e discos de amamentação, que deverão ser feitos de tecidos orgânicos.

Outro ponto importante é a alimentação da criança. Para evitar resíduos (dos frascos de comida) e sujeitar o bebé a produtos desconhecidos, que tal preparar-lhe os alimentos à boa maneira antiga, com produtos frescos biológicos? A ambientalista chama também a atenção para os biberões escolhidos para o bebé. “Os de vidro são os melhores, pois são um material mais estável do que o plástico”, recomenda. Susana Fonseca alerta para o facto de o plástico se deteriorar com o uso, pois lida com temperaturas muito altas. “Alguns plásticos libertam a substância bifenol A, que já foi banida em muitos países”, diz.

Também alguns cremes podem conter produtos químicos prejudiciais. E isto é válido mesmo para a gestação: “Durante a gravidez é preciso cuidado com as substâncias dos cremes, pois são facilmente absorvidas pela pele e podem passar para o bebé”, assim como os cremes para o peito da mãe que podem contaminar o leite materno. Como solução, a ambientalista refere o óleo de amêndoas doces: “É acessível, ecológico e resolve o problema da desidratação da mesma maneira.”

in JN

Written By
More from

Sensibilização explica como se ensina um cego a sorrir

Uma criança que não vê como se sorri tem de ser estimulada....
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *