Bebês: sempre de barriga para cima

A síndrome da morte súbita infantil é um perigo que aterroriza os pais de crianças com até 1 ano idade. A causa ainda não foi desvendada pela Medicina, mas especulações a respeito não faltam.

A maioria dos pesquisadores acredita que os bebês acometidos pelo mal apresentam uma falha no mecanismo de despertar associada à imaturidade do tronco cerebral. O centro controlador da respiração seria afetado, o que resultaria no óbito do bebê.

No Brasil, não há estatísticas que revelem quantas crianças morrem dessa forma, o que acontece por falta de diagnóstico.

Mas, enquanto a ciência não encontra respostas mais precisas sobre o problema, os pais já podem se sentir mais tranquilos. Isso porque diversos estudos internacionais comprovam que deitar a criança de barriga para cima reduz em até 70% o risco da morte súbita infantil.

A recomendação não é de hoje. Na Europa, por exemplo, a dica já é dada há mais de uma década. O Brasil se atrasou, e até bem pouco tempo atrás era comum que os pediatras recomendassem que a criança dormisse de lado.

No ano passado, a Pastoral da Criança, baseada nos levantamentos internacionais e na revisão bibliográfica de tais estudos feita pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da UFPel (Universidade Federal de Pelotas), lançou a campanha para orientar os pais de todo o País sobre a posição correta para o sono dos bebês A ação conta com aval da Sociedade Brasileira de Pediatria.

"Se a criança está de barriga para cima e regurgita o leite, ela vai tossir. A mãe vai ouvir o ruído e, assim, ter tempo de ajudá-la, o que não acontece quando a criança está de lado ou de bruços", explica a pesquisadora e professora titular de epidemiologia da UFPel Iná Santos. "O problema da morte súbita é ser silenciosa."

Segundo a pesquisadora, o importante é que o bebê seja colocado nessa posição no primeiro semestre de vida, já que a maioria dos casos de morte súbita costuma ocorrer dos três aos seis meses.

Mais cuidados – A posição no leito ainda é a principal maneira de tentar afastar a morte súbita infantil. No entanto, existem outras formas de proteção. Uma delas, segundo a especialista, é prender bem as roupas de cama debaixo do colchão para que o bebê não sufoque com os lençóis. "Uma criança pequena está imatura e não consegue acordar quando não tem dificuldade para respirar", explica.

Já a chefe da clínica neonatal do hospital Mário Covas, Sandra Frota Ávilla Gianelo, afirma que é essencial o bebê passar por acompanhamento médico mensal pelo menos nos primeiros seis meses de vida e que, a qualquer sinal de infecção, tosse ou secreção, os pais procurem o médico.

"Outra questão é o aleitamento materno exclusivo até os seis meses. É importante também não fazer uso de qualquer medicamento sem orientação médica, o que vale para a mãe no período de amamentação", explica.

A proximidade entre pais e filhos durante a noite também deve ser revista. "Por muitos anos, orientava-se que as mães não dormissem com o bebê na cama. Isso mudou, e hoje a orientação tem sido inversa", sustenta a médica. "Há cerca de 15 anos, orienta-se que o bebê durma perto dos pais, ou na cama ou no mesmo quarto, assim eles podem ouvir se algo errado estiver acontecendo."

Segundo Sandra, deve-se evitar ainda o excesso de objetos no berço. "Evite qualquer coisa que possa causar asfixia." A dica é compartilhada pela coordenadora do Grupo de Trabalho de Estudos sobre o Sono da Sociedade Brasileira de Pediatria, Magda Lahorgue Nunes. "Impeça que a criança durma em colchões muito moles, nos quais o corpo afunda, evite excesso de cobertas, fique atento para que os pés do bebê estejam em contato com a borda inferior do berço, a fim de evitar que ele não escorregue para baixo dos cobertores. E evite o excesso de camada de roupas, o que dificulta os movimento da criança", aconselha.

Pais devem procurar ajuda psicológica, afirma especialista
Lidar com o luto nunca é fácil, ainda mais quando se trata de filho ainda pequeno. Segundo a psicóloga e professora do departamento de pediatria da Faculdade de Medicina do ABC Maria Regina Domingues de Azevedo, o sofrimento de perder um bebê por morte súbita normalmente é mais visível na mãe.

Segundo a especialista, existem várias teorias a respeito do luto, mas a principal delas atesta que o sofrimento passa por diversas fases. A primeira seria a do entorpecimento, que pode durar horas ou dias. "É quando há o choque, a descrença. Essa fase é seguida pelo protesto, onde a dor fica muito mais intensa e se mostra até na agitação física, na perda de sono e de apetite", explica. Depois vem o desespero, quando há o risco da tristeza se transformar em doença.

A psicóloga aconselha que, quando a situação estiver difícil de se lidar, os pais busquem auxílio profissional. "É importante procurar ajuda antes que esse processo se agrave e que o que era uma tristeza inicial se transforme em um quadro de depressão", afirma.

Written By
More from

Epidurais têm riscos minimizados

As anestesias da medula espinhal, assim como as chamadas epidurais (administração de...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *