Cimeira de Copenhaga à beira do fracasso

Nos corredores da Cimeira de Copenhaga começou a circular um documento que poderá colocar em risco os resultados da reunião desenhada para discutir o clima do planeta para as próximas décadas. O projecto dinamarquês contempla mais poder aos países ricos e remete as Nações Unidas para um lugar secundário nas futuras negociações sobre alterações climáticas.

O texto estabelece limites diferentes até 2050 para as emissões de carbono per capita de países desenvolvidos e em desenvolvimento e prevê ainda a criação de uma nova categoria dentro dos países pobres: os países mais vulneráveis.
Numa reacção a este documento, o chefe da delegação do Sudão – país que preside ao Grupo dos 77, que representa 130 países em desenvolvimento – falou em "ameaça ao sucesso das negociações".

Na opinião de Lumumba Stanislas Dia Ping, trata-se de um texto que constitui "uma grave violação que ameaça o sucesso do processo negocial de Copenhaga".

As críticas partiram igualmente das organizações não-governamentais (ONG) que temem agora que as Nações Unidas sejam colocadas à margem do processo negocial num acordo sobre o aquecimento global.

Delegações de 192 países estão reunidas até 18 de Dezembro na capital dinamarquesa naquele que é o mais importante encontro até hoje realizado sobre o clima.

O objectivo é chegar a um consenso em relação a um texto para um acordo vinculativo com vista a assegurar que o aquecimento global não será superior a dois graus Celsius em relação à era pré-industrial.

Costa Rica quer ser exemplo
 
A Costa Rica quer ser um dos primeiros países do mundo com zero emissões de dióxido de carbono, objectivo colocado para dentro de 11 anos.

Decidida a tornar-se um exemplo no combate ao aquecimento global, a Costa Rica juntou-se às Maldivas e à Noruega na corrida ao título de país sem emissão de gases com efeito de estufa.

A Costa Rica quer atingir a meta a que se propôs em 2021, sendo que a principal dificuldade do país está no sector dos transportes, razão pela qual foi aprovada a criação de um novo sistema ferroviário nacional que irá custar centenas de milhões de euros, numa clara aposta do Governo na tecnologia, por um lado, e na mudança das mentalidades, por outro.

Apesar das dúvidas dos ambientalistas, a Costa Rica demonstrou já a sua capacidade para se manter na primeira linha de defesa do planeta quando na década de 1980 promoveu o abate sustentável de árvores e o eco-turismo, antes mesmo de as alterações climáticas fazerem parte da agenda política internacional.

in http://tv1.rtp.pt/noticias/index.php?t=Cimeira-de-Copenhaga-a-beira-do-fracasso.rtp&article=301519&layout=10&visual=3&tm=7

Written By
More from

OMS: 13 milhões de bebês prematuros nascem todos os dias

Agência da ONU estima que a maioria dos casos ocorrem na África...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *