Actualidades

Cirurgia para testículo que não desce é indicada antes de um ano

Cirurgia para testículo que não desce é indicada antes de um ano
do Bebé

Meninos cujos testículos não descem para a bolsa escrotal até os seis meses de idade devem ser operados antes de completar um ano. Após essa idade, aumentam as chances de câncer testicular e de infertilidade, alertam os urologistas.

A criptorquidia, ou escroto vazio, é uma das doenças de tratamento cirúrgico mais comuns da infância. Pode afetar até 3% dos recém-nascidos. Entre os prematuros, o índice chega a 30%.

A intervenção cirúrgica precoce tem sido um tema bastante discutido nos congressos de urologia. No último evento, ocorrido em novembro, um dos palestrantes, o belga Piet Hoebeke, chefe do Departamento de Uropediatria do Ghent University Hospital, defendeu que a cirurgia de criptorquidia seja feita o quanto antes. A recomendação é endossada pela Sociedade Brasileira de Urologia.

"Seis meses é a melhor idade para tratar. Se você trata precocemente, estará prevenindo o câncer e a infertilidade", afirmou Hoebeke à Folha.

Segundo ele, se o testículo não desceu do abdome (local onde ambos se desenvolvem durante a vida intrauterina) para a bolsa escrotal até os seis meses, dificilmente isso acontecerá depois desse período.

E, se a cirurgia for feita mais tarde, aumentam os riscos de câncer de testículo (na população em geral, a chance é de um caso a cada grupo de 20 mil; entre os meninos com criptorquidia, um a cada 2.000). "A cirurgia precoce diminui em dez vezes o risco de câncer", informa.

A não correção do problema, segundo ele, também aumenta em 30% as chances de o garoto ter a fertilidade prejudicada no futuro, especialmente nos casos em que os dois testículos não desceram. Isso ocorre porque a exposição a temperaturas mais altas (no caso, a região abdominal) pode inviabilizar a produção de espermatozoides, causando a infertilidade.

O urologista Antonio Macedo Júnior, chefe da uropediatria da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), diz que antigamente os médicos recomendavam esperar até dois anos para operar o problema.

"Essa indicação está ultrapassada. Antes de um ano já sabemos se vai descer ou não na apalpação. Se não conseguirmos apalpá-lo ou notarmos os testículos altos, já é indicação cirúrgica." Macedo Júnior afirma, porém, que o diagnóstico precoce não é a realidade no país, especialmente no SUS.

"Os meninos precisam ter a sorte de encontrar um pediatra na rede pública que consiga identificar o problema. Depois, precisam ser encaminhados para uma equipe de urologia, que já é mais difícil. Nesses gargalos, vai atrasar mesmo."

Outro fator que ainda assusta os pais é a necessidade de anestesia geral para a cirurgia de correção da criptorquidia. "Os pais dizem: "Ah, eu tenho medo de que meu filho tome anestesia". Eu digo para eles que uma hora sob anestesia geral é mais seguro do que passar uma hora dentro de um carro", diz Hoebeke.

O médico também é contrário ao tratamento hormonal clássico, que continua sendo recomendado por muitos urologistas para acelerar o amadurecimento e a migração dos testículos para a bolsa escrotal. "Há cada vez mais e mais provas de que, dando hormônios, você pode destruir os testículos. E muitos pediatras continuam recomendando o tratamento", afirma.

in http://www.olhardireto.com.br

Click to add a comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Actualidades
do Bebé

More in Actualidades

fundação rui osório de castro

Workshop de Moda para Crianças do IPO de Lisboa

Mulher dá à luz a bebé ‘grávida’ de gémeos

operação nariz vermelho loja online

Operação Nariz Vermelho lança loja online

O MUNDO SECRETO DOS BEBÊS

O Mundo Secreto dos Bebês: Série mostra como pais devem agir quando bebés começam a falar

fetos de bebés em impressoras 3D

Empresa da Estónia cria “bebés” em impressoras 3D

Sangue de cordão

Sangue de cordão não é seguro de vida diz uma campanha no Brasil

bebés trocados

França indemniza famílias com bebés trocados

A Genética e fatores ambientais influenciam na evolução infantil

A Genética e factores ambientais influenciam na evolução infantil

Parceiros:
contacto: info@dobebe.com

Copyright © 2016 doBebe.com.