Da importância de levar um bebé num Sling

psi

Depois de ter passado nove meses na barriga, com o calor, o bater do coração e os movimentos da mãe, o bebé continua, após o nascimento e ainda durante muitos meses, a precisar deste refúgio que é o colo. 
Num sling e num pano, o bebé reencontra a barriga da mãe, a sua segurança, o seu conforto. 

E neste sentimento de confiança, o bebé vai poder crescer saudável e feliz.
A mãe/o pai, no mesmo tempo, vai poder dar ao seu bebé o que precisa, e guardar as mãos livres para cumprir as suas tarefas do dia-a-dia. Durante os seus primeiros meses de vida, se o bebé tiver cólicas, observamos que elas se tornam menos intensas, e até se podem acalmar quando o bebé está colocado num pano ou num sling, em posição vertical barriga com barriga. Isso é provavelmente devido ao facto de estar aconchegado com quem o transporta, mas também de estar escondido no tecido (retirado mas não isolado da agitação do mundo), e de estar numa posição com partilha do calor humano, que favorece a digestão e a descontracção dos músculos da barriga.
Cólicas ou não, um estudo publicado em 1986 no jornal americano Pediatrics demonstra que os bebés transportados pelo menos 3 horas por dia choram menos (43% durante o dia e 51% a noite). 
Um bebé transportado num porta-bebé de tecido tem geralmente um sono de muito boa qualidade. Adormece muito facilmente logo que o necessita e acorda quando dormiu o suficiente. Se for acordado de surpresa, logo volta a adormecer sem dificuldade. E bem dormir durante o dia não estorva-o bem dormir a noite pois ele aprende rapidamente a diferençar o dia, em movimento no porta-bebé, e a noite, na escuridade deitado na sua cama. 
Quanto mais próximo estiver dum recém-nascido, mais fácil se torna sentir e entender as suas necessidades. Aprendem a conhecer-se um ao outro mais rapidamente. A confiança em si-mesmo e nas suas capacidades de pais são reforçadas, o que é essencial nas semanas de fragilidade que seguem o nascimento. O bebé sente-se entendido e satisfeito, e do lado da mãe os riscos de depressão pós-parto são reduzidos. Sublinhamos que os bebés levados num porta-bebé de tecido não se tornam caprichosos ao ser assim transportados! Pelo contrário, as suas necessidades tendo sido ouvidas e satisfeitas desde a mais tenra idade, eles crescem com serenidade, confiança e autonomia, e aceitam bem os limites que lhes forem impostos ao longo do crescimento.

Kaïté Couëdel
Psicolor, slings de argolas e panos porta-bebés
Especialista em babywearing noPortal doBebe.com
www.psicolor.net/

 

 

Written By
More from

Sugestão: Workshop Zen Babies para Grávidas

Com música tocada ao vivo por Marc Requilé, autor do CD Zen...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *