Displasiada anca vai ser alvo de rastreio

A displasia da anca afecta três em cada mil bebés. Sexo feminino, antecedentes familiares da doença e apresentação de pelve durante a gravidez são factores de risco. Para evitar um diagnóstico tardio vai ser feito um rastreio nacional.

A displasia da anca – patologia na qual existe uma relação anormal entre a cabeça do fémur e o acetábulo (estrutura óssea existente na anca) – é um dos temas em destaque no XIX Congresso Nacional de Ortopedia e Traumatologia, que decorre até sexta-feira no Porto. O assunto veio colocar sobre a mesa a questão da detecção da doença, já que o diagnóstico é feito, na maior parte das vezes, tardiamente. O director do Serviço de Ortopedia do Hospital Dona Estefânia, Manuel Cassiano Neves, aponta que, "de 2005 a 2008", foram observados 220 casos de "crianças com diagnóstico tardio".

É precisamente para evitar essa situação que vai arrancar, em Janeiro, um programa de rastreio a nível nacional. Numa primeira fase, "cabe aos pediatras e clínicos gerais um primeiro rastreio da doença", através do recurso à imagiologia. Já o ortopedista "apenas intervém após o diagnóstico", explicou Cassiano Neves.

Sendo uma doença congénita, "que se traduz por uma alteração no natural desenvolvimento do acetábulo", deveria ser detectada à nascença ou nos primeiros três meses de vida, adiantou. Mas tal nem sempre se verifica. Daí a preocupação em detectar atempadamente esta patologia, com a colaboração de "todas as especialidades envolvidas", de forma a que, no futuro, "as formas de actuação sejam reproduzíveis por todos". Por "todos" entenda-se as Sociedades de Pediatria, Radiologia, Associação Portuguesa dos Médicos de Clínica Geral e a Secção para o Estudo da Ortopedia Infantil, entidades responsáveis pelo programa nacional de rastreio.

Os factores de risco para a displasia da anca são múltiplos. Sexo feminino, raça branca, antecedentes familiares de displasia de desenvolvimento da anca (DDA) e apresentação de pelve – cavidade óssea da bacia – durante a gravidez, são alguns deles, embora seja difícil "definir o que é o risco", admitiu Cassiano Neves.

Factores de crescimento

A vertente desportiva também esteve presente no primeiro dia do congresso. Na sessão sobre o "ligamento cruzado anterior" do joelho e os seus tratamentos cirúrgicos, Henrique Jones, médico da selecção nacional de futebol, elegeu a terapêutica dos factores de crescimento como o tratamento mais rápido. Esta baseia-se na retirada de uma pequena quantidade de sangue e na sua renovação através de centrifugação das plaquetas, sendo posteriormente reposta para actuação local.

in JN

Written By
More from

Marçal Grilo diz que sobrevivência do livro em papel depende do incremento da leitura

O ex-ministro da Educação Eduardo Marçal Grilo defendeu hoje que a sobrevivência...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *