Mãe Solteira

maesolteira

Viver sozinha e ter um filho não é uma tarefa fácil. Mas o que outrora era visto com maus olhos, hoje é um sinal de outros tempos. De escolhas, liberdade, coragem…Segundo alguns dados, em 2006, 30% dos lares eram chefiados por mulheres. O número cresceu 79% em dez anos, e o preconceito diminuiu muito. Cerca de 45% das mulheres divorciadas, mães de pelo menos um filho, nunca mais  casam.(esta é a realidade no Brasil por exemplo).
A  gravidez acidental, mas vários outros motivos têm contribuído para desvincular  os filhos de possiveis casamentos.
A liberdade de criar um filho sem a presença paterna deixou de ser um efeito colateral de uma relação que terminou e torna-se assim uma opção consciente para muitas mulheres. O que antes só viria com um casamento – a casa, um carro, viagens e crianças – depende agora apenas da disposição da mulher. Mas nem tudo são "rosas"a queixa mais comum é a ausência de um companheiro para partilhar tanto as coisas boas como as dificuldades, além da falta da figura masculina. Muitas mães fazem um trabalho melhor do que um casal que vive junto. Ser uma boa mãe é suficiente,tentar cumprir os dois papéis é  que se torna dificil “Muitas crianças são criadas por mães e avós. Não é necessário que exista conflitos de autoridade. Mas, se isso não acontecer, e as atribuições de cada uma não forem claras, a criança vai aproveitar-se da situação, tentando passar uma proibição ou criar uma confusão entre a mãe e a avó. Deve-se dizer a verdade, sempre? Cada caso é um caso. E a verdade sobre a história da mãe com o pai da criança deve ser sempre contada com cuidado, pois os "Bons relacionamentos são baseados na confiança e  na honestidade. Mas a mãe deve decidir a informação  que deseja dividir com o seu filho e quando essa criança estará preparada para receber isso. A criança consegue lidar com a falta, desde que  as outras pessoas atendender às suas necessidades fundamentais de amor e atenção.
Nove entre dez noruegueses preferem namorar mães solteiras, segundo o site nettdating. Cerca de 75% dos entrevistados disseram que a preferência é pelo facto de gostarem de crianças. Deve-se ter cuidado, porém, na escolha. Apresentar um namorado ao filho é sempre uma tarefa que exige paciência.
E arranjar tempo para si?
Dividir tarefas já é exaustivo; fazê-las sozinha, então, deixa qualquer um esgotado. Por isso, mães solteiras devem descobrir formas de cuidar de si mesmas. Um estudo recente feito pela ACSW (Academy of Certified Social Workers) descobriu que 40% das mães solteiras sofrem de depressão. As 2.921 mulheres entrevistadas tinham pelo menos uma crise a cada ano. As principais causas? Stress e pouco apoio da sociedade. Ter um tempo para relaxar refresca e ajuda. Por isso não precisa de ser uma SuperMãe, tem apenas de ser a melhor mãe que pode ser.

Tags from the story
Written By
More from

APFN saúdam redução do IVA

A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN) congratulou-se esta quarta-feira com a...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *