Partidos dizem que prevenção da gravidez está a falhar

A prevenção da gravidez está a falhar. Esta é a conclusão dos vários partidos políticos ouvidos pelo DN, face aos números que indicam que 87% das mulheres que abortaram na Maternidade Alfredo da Costa em 2009 não usam contraceptivos. Já a Associação para o Planeamento da Família (APF) considera que o contexto social pode ser mais determinante, já que acredita que as consultas de planeamento familiar estão generalizadas.

"Há lacunas na oferta de consultas de planeamento familiar, na informação e no acesso a contraceptivos", aponta Fernanda Mateus da comissão política do PCP. A responsável lembra que "falta implementar a educação sexual nas escolas" e que esta medida poderia ajudar na prevenção.

Também Teresa Caeiro considera "assustador" o número de mulheres que não usa qualquer método contraceptivo. As causas são variadas, mas a deputada do CDS/PP defende que "a falta de uma cultura de responsabilidade na sociedade e junto dos jovens" também contribui para este tipo de situações.

Já Helena Pinto do BE alerta para o trabalho que é preciso fazer "para melhorar o acesso à contracepção". A deputada sublinha no entanto que é importante conhecer a realidade social destas mulheres. O DN não conseguiu obter reacções junto dos grupos parlamentares do PS e do PSD.

Da mesma forma, Duarte Vilar, director executivo da APF, entende que é preciso conhecer os contextos em que as mulheres vivem. Já que não acredita que existam dificuldades de acesso aos métodos contraceptivos. Por isso, diz: "Temos de saber em que situações é que as mulheres correm riscos e se estão conscientes desse risco." Enquanto Isilda Pegado, da Federação Portuguesa da Defesa da Vida, acredita que estes números são mais uma indicação de que a lei do aborto deve ser alterada. "Esta lei permite que o aborto seja usado como método contraceptivo", acusa
 

Written By
More from

Como fazer um bebé?

Ainda acha que fazer um bebé tem muitos segredos? Neste passo a...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *