Quase dez por cento dos bebés que nascem em Portugal são prematuros

O nascimento de bebés prematuros está a aumentar em Portugal, contrariando as metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Saúde (PNS) para 2010. Em 2004 eram 6,8 por cento dos nascimentos e, em 2007, os nados vivos com menos de 37 semanas já representavam 9,1 por cento dos nascimentos. O objectivo era atingir 4,9 por cento no próximo ano.

O aumento da prematuridade, acompanhado do crescimento da taxa de crianças com baixo peso à nascença, são duas das metas em que Portugal se distanciou dos objectivos definidos pelo PNS – um documento estratégico do Ministério da Saúde que traçou objectivos a serem atingidos entre 2004 e 2010 –, referiu ontem no Parlamento a alta-comissária para a Saúde, Maria do Céu Machado. Isto apesar de Portugal ter obtido grandes ganhos em saúde infantil nas últimas décadas.

A responsável, que foi chamada à comissão parlamentar de Saúde por iniciativa do Bloco de Esquerda, afirma que os bebés prematuros tenderão a aumentar. Esta subida, que também se verifica noutros países ocidentais, deve-se a vários factores, desde logo o adiamento da maternidade. Em 2002, a percentagem de mulheres com 35 ou mais anos a ter filhos era de 14,4 por cento, em 2007 atingia já os 18,5 por cento – um aumento relativo de 28,5 por cento. Ao mesmo tempo, verifica- se que uma grande percentagem de prematuridade ocorre em mães de origem africana. Com a natalidade a baixar e a ser suportada pela imigração, este número torna-se mais notório, referiu aos deputados.

Nos nascimentos de baixo peso (com menos de 2,5 quilos), a meta do PNS também deverá ficar por cumprir: deveria ser de 5,8 por cento no próximo ano mas, em 2007, situava-se nos 7,9 por cento – e a percentagem tem vindo a subir de ano para ano. Maria do Céu Machado atribuiu esta subida também ao aumento de mulheres que fumam durante a gravidez. ~

Mas também há boas notícias. Uma delas é o aumento da esperança de vida à nascença em Portugal, que passou de 78 anos, em 2004, para 78,7 anos, em 2006 – a meta para 2010 é de 81 anos. A responsável admite que “o PNS é impossível de cumprir na sua totalidade” e nota que “muitos dos ganhos em saúde se ficaram a dever à melhoria das condições económicas dos portugueses”. Com o agravamento da situação no país, Maria do Céu Machado teme “que daqui a três anos possamos regredir” nos ganhos.

O combate ao cancro foi uma das áreas que mais mereceram as críticas dos deputados. A deputada popular Teresa Caeiro realçou o atraso na aprovação de um novo plano estratégico na área do cancro. Já o parlamentar do Bloco de Esquerda, João Semedo, criticou a grande discrepância regional no avanço de programas de rastreio na área do cancro. Por exemplo, no caso do cancro do colo do útero, este rastreio já existe há vários anos na Região Centro, mas em Lisboa e Vale do Tejo apenas uma pequena população de risco na cidade de Lisboa é seguida de forma organizada.

in Publico

Written By
More from

Marçal Grilo diz que sobrevivência do livro em papel depende do incremento da leitura

O ex-ministro da Educação Eduardo Marçal Grilo defendeu hoje que a sobrevivência...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *