Querido, o melhor mesmo é ignorar os nossos filhos

Melhor do que atenção, a felicidade das crianças está na boa relação dos pais. Os pais sonham com filhos bem sucedidos e felizes. Por isso, investem dinheiro e atenção na sua educação, inscrevendo-os em todo o tipo de actividades e controlando todos os seus passos. Mas, para atingir esse objectivo, devem passar menos tempo a tentar ser os pais perfeitos e investir mais no próprio casamento. Uma tarefa que pode ser difícil para as mães portuguesas, que os especialistas consideram excessivamente protectoras.

A tese de deixar os filhos em segundo lugar é defendida pelo terapeuta norte-americano David Code, no livro To Raise Happy Kids, Put Your Marriage First (Para Educar Crianças Felizes, Ponha o Seu Casamento em Primeiro Lugar, tradução livre em português). E é também apoiada pelos especialistas portugueses. O psicólogo Eduardo Sá alerta que os pais portugueses estão a "criar uma geração de imunodepressivos". Pois, hoje em dia, "as crianças já não brincam na rua, não comem fruta das árvores e não têm experiências", acrescenta. Por isso, o especialista lembra que "proteger não significa proteger de mais". A mesma opinião é defendida pelo terapeuta Rui Ferreira Nunes, que considera "mais prejudicial a sobreprotecção do que ausência pontual dos pais". Considerando mesmo que a influência das mães muito zelosas, como as portuguesas, "tem consequências muito negativas".

Outro problema é que muitas vezes, para dar atenção aos filhos, os pais esquecem-se da sua relação. Daí que os especialistas portugueses também chamem a atenção para a necessidade do casal investir em si. "É importante que os filhos saibam que os pais têm uma relação saudável ao mesmo nível da que têm com eles", refere Eduardo Sá.

Enquanto Rui Ferreira Nunes realça o efeito desse exemplo nas crianças. Já que "a imagem de afecto dos pais vai ser o modelo de relação na sua vida futura, tanto nas relações de trabalho como amorosas", entende.

O excesso de protecção e atenção que os pais dão aos filhos determina os seus comportamentos no futuro. Assim, não são estranhas as birras que muitos adultos fazem. "Quando as coisas não correm bem vemos adultos a fazerem birra ou a amuar", refere Rui Ferreira Nunes. Estas atitudes mostram que "foram crianças muito mimadas", acrescenta.

Além de que as pessoas que estão habituadas a ter sempre o que querem são mais dependentes e "menos consequentes no seu comportamento". Ou seja, "não prevêem o impacto que o seu comportamento tem nos outros", alerta o psicoterapeuta.

Menos convictos dos efeitos do excesso de protecção estão os pediatras Gomes Pedro e Luís Januário. O presidente da Sociedade Portuguesa de Pediatria entende que a protecção excessiva das crianças deve-se ao facto das famílias serem mais pequenas. Já Gomes Pedro considera que o bom senso deve imperar.

in dn.sapo.pt

Written By
More from

Thomas Beatie, o “homem grávido”, anuncia segunda gravidez

Numa entrevista que deu ao  canal americano ABC, Thomas Beatie, transexual que ficou conhecido...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *