Relação Mãe versus Filho

maeefilho

A relação da Mãe com o filho (do sexo masculino) se estrutura de forma diferenciada das precedentes –
citadas nas edições anteriores -, principalmente por causa do gênero masculino do filho que,
por conseqüência, norteará as interações futuras entre os dois. É necessário afirmar que,
independente do sexo da criança, a relação positiva e o apego da mãe com a criança é a peça indispensável
para a boa saúde mental da criança; este apego da mãe com os filhos é constante independente da faixa etária deles.
Motivo pelo qual utiliza-se correntemente a seguinte expressão: "filho é sempre filho, independente da idade".
Sendo assim, é possível deduzir que a saúde psicológica da mãe é fundamental para o bom desenvolvimento
bio-psico-social da criança nos primeiros anos de vida.

Todavia, o apego da mãe ao filho é tão intenso que há necessidade de um terceiro personagem romper esta relação
para possibilitar o crescimento da criança. Quanto mais rápido o filho se "desprender da mãe" mais rápido é o seu
amadurecimento e o seu crescimento em todos os aspectos. Hélio Pellegrine ilustra esta passagem com as seguintes palavras:
"o filho, para poder ganhar-se, enquanto sujeito humano autônomo, dono do próprio nariz, precisa criar uma distância respeitável,
que o separe da mãe. Isto significa que o filho, para ter a mãe, saudavelmente, necessita perdê-la.
O mesmo ocorre com a figura materna, na sua relação com o filho.
Ter o filho, enquanto pessoa, centrado na própria liberdade, é abrir mão dele,
é consentir na sua existência, como inventor de caminhos"

Abrir mão do filho, como afirma Pellegrine,
não é abandoná-lo mas sim, criar uma situação de distância na qual ele
possa por si próprio descobrir e experimentar o mundo desde a mais tenra idade.

Ao observarmos os demais animais irracionais constatamos que os adultos
rapidamente propiciam situações para "excluírem" suas crias do círculo de convivência
fazendo com que sejam autônomos e independentes. No geral, o ser humano tem dificuldades
para proceder desta forma. E marcas negativas dos primeiros anos de vida, por excesso de zelo e
por excesso de proteção,  podem permanecer por muito tempo na representação psicológica dos indivíduos.

Em suma, a função materna é fundamental na organização psicológica da criança, pois é
uma referência primordial no seu desenvolvimento. Paradoxalmente, a cumplicidade na relação
com o filho é diferente àquela da filha, visto que, é na figura do pai que o menino irá reconhecer
 habilidades que irão lhe possibilitar autonomia, independência e inserção no campo da sociedade,
da masculinidade. No caso da menina, ela se identifica com a figura materna e passará a ser como ela, na sua vida adulta.

Esta é uma concepção teórica plausível para entendermos a organização das estruturas familiares de nossa sociedade.

Como havia escrito na edição anterior, a maternidade é uma dádiva e portanto a mulher merece o
reconhecimento e o respeito da humanidade pelo fato de gerar a vida.

Não poderíamos deixar de destacar a data festiva neste segundo domingo de maio que
enaltece a mulher por ser mãe. Infelizmente a data festiva se restringe a um único dia e a grande maioria dos
filhos e filhas se esquecem dos outros dias do ano.

Francisco Moura
Professor de Psicologia da Universidade Federal de Ouro Preto

Tags from the story
Written By
More from

Assentos de elevação ou Booster

                             Boosters são uma espécie de "banquinhos", que servem para o seu...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *