Teste do Pezinho” para novas doenças

O Programa Nacional de Diagnóstico Precoce, conhecido como o "Teste do Pezinho", foi reformulado e poderá incluir futuramente o rastreio a outras doenças como a fibrose quística.

Criado em 1979, o Programa Nacional de Diagnóstico Precoce (PNDC) visa diagnosticar doenças nas primeiras semanas de vida do bebé e tratá-las precocemente para evitar a ocorrência de atraso mental, doença grave irreversível ou morte da criança.

"O PNDP teve um enorme sucesso e tem revelado uma elevada qualidade, que é bem patente na sua taxa de cobertura superior a 99 por cento dos recém-nascidos e pelo seu tempo médio de intervenção terapêutica 11/12 dias", refere o despacho do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Manuel Pizarro, publicado hoje, terça-feira, em Diário da República.

Dirigido inicialmente à fenilcetonúria e ao hipotiroidismo, duas doenças que, na criança, quando não tratadas acarretam atraso mental, foi alargado mais tarde a mais 23 doenças hereditárias do metabolismo.

"Outras doenças como a fibrose quística, hiperplasia congénita da supra-renal e deficiência da biotinidase foram rastreadas em estudos-piloto e poderão futuramente vir a ser incluídas no Programa Nacional", refere o documento.

O rastreio e a confirmação do diagnóstico permitem o encaminhamento dos doentes para a rede de Centros de Tratamento, sedeados em instituições hospitalares de referência.

O PNDP foi-se expandindo face aos desafios encontrados no seu desenvolvimento, mas não ficou identificado na lista dos Programas Nacionais do Programa para o Plano Nacional de Saúde, nem foi actualizada a sua composição.

"Foi assim criada a oportunidade para reformular o PNDP, ajustando-o aos desafios do Plano Nacional de Saúde e dotando-o de uma estrutura de coordenação que assegure a sua sustentabilidade na próxima década", salienta o despacho.

Entre as "estratégias de intervenção" para implementação do plano fazem parte a estruturação da rede nacional de centros de tratamentos, que "assegure a universalidade do acesso e a mais elevada qualidade dos cuidados prestados em todo o ciclo de vida", e propor a inclusão nos contratos-programas com os hospitais de financiamento específico para os centros de tratmento.

O programa, agora proposto pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), ajusta-se aos "desafios do Plano Nacional de Saúde" e está dotado de uma "estrutura de coordenação que assegura a sua sustentabilidade para a próxima década", salienta Manuel Pizarro.

Deste modo, o PNDP passa a integrar desde já a lista dos Programas Nacionais do PNS e será tido em conta nas iniciativas que se realizem para elaborar o novo Plano Nacional de Saúde, com o limite temporal que for estabelecido.

"Os programas têm maior sucesso e eficiência quando é obtida uma boa colaboração entre as equipas de coordenação, as estruturas laboratoriais, os profissionais de saúde nos diferentes níveis de cuidados e são bem compreendidos e aceites pela opinião pública e pelos doentes", refere o DR.

O PNDP é um Programa Nacional de Saúde Pública, cuja componente laboratorial está centralizada num único laboratório nacional: a Unidade de Rastreio Neonatal, que está sedeado no Centro de Genética Médica Jacinto de Magalhães no Porto.

in http://jn.sapo.pt/

Written By
More from

Vila Real: Mil euros para bebés ou casais que se fixem na freguesia de Vila Cova

Os bebés nascidos na freguesia de Vila Cova em 2010 receberão este...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *