Autocarro com alunos suspenso numa ravina

 Um autocarro com cerca de 40 passageiros, a maioria alunos da Escola Profissional de Vouzela, ficou ontem, quarta-feira, com a parte da frente parcialmente suspensa sobre uma ravina da EN16, às portas da vila, após colisão com um ligeiro. Não houve vítimas.

A queda eminente do veículo sobre o precipício, com uma altura de seis metros, foi travada, na opinião do segundo comandante dos Bombeiros Voluntários de Vouzela, Paulo Teixeira, pela barreira de protecção em betão junto à curva da Volta Escura, na EN 16, entre S. Pedro do Sul e Vouzela.

"Se tivesse sido um bocado atrás, onde o muro ainda é em pedra, poderia ter acontecido uma tragédia. Felizmente foi num ponto onde a barreira foi recentemente reconstruída em betão armado devido aos muitos embates que ali ocorrem", relata Paulo Teixeira.

Os passageiros, entre eles mais de três dezenas de estudantes, entre os 15 e os 17 anos, conseguiram manter o sangue frio até serem resgatados.

"O autocarro só tem portas do lado direito, o mesmo que ficou pendurado sobre a ravina, o que nos obrigou a partir o vidro do condutor para retirar as pessoas. Fiquei admirado com a coragem dos miúdos", relata o comandante.

Fábio Pinto, de 17 anos, um dos alunos da Escola Profissional de Vouzela que viajava no autocarro,

foi dos poucos que não conseguiu evitar o pânico.

"Estava apavorado. Enquanto a maioria mal conseguia dizer uma palavra, ele gritava e pedia-nos para nos encostarmos todos à esquerda. Dizia-nos que era para evitar que o autocarro tombasse para a ravina", conta a colega Bianca Figueiredo.

"Foi um conselho acertado. Os próprios bombeiros, quando chegaram, mandaram-nos fazer o mesmo. Queriam evitar que o autocarro se desequilibrasse", diz Fábio ainda mal refeito do susto.

O acidente ocorreu às 9 horas, na EN16, quando o autocarro da empresa Guedes que fazia o percurso Viseu, S. Pedro do Sul, Vouzela e Oliveira de Frades terá sido obrigado a desviar-se de um ligeiro que entrou em despiste em sentido oposto.

"Talvez devido ao piso escorregadio, o Ford Fiesta, conduzido por um jovem de 20 anos, que também saiu ileso, despistou-se e chocou com o autocarro que ainda tentou desviar-se", admite Paulo Teixeira.

"O nosso condutor ficou aflito e nervoso. Mas fez o que pôde", reconhece Tiago Magina, de 16 anos, aluno de Electrotecnia. Que faz parte do grupo de jovens de Castro Daire que frequentam a Profissional de Vouzela. "Saímos às 7.50 horas para apanhar um autocarro da mesma empresa em S. Pedro do Sul. Fazemos isto todos os dias", diz Daniel Almeida.

O director pedagógico da escola, José Lino, disse ao JN que às 9.30 horas "as aulas decorriam com normalidade". O dirigente lembra que o autocarro faz serviço público e transporta outros passageiros. "Nós apenas pagamos o passe aos nossos alunos".

in http://jn.sapo.pt

Written By
More from

Mais de 22 milhões de crianças estão sem receber vacinas, afirma OMS

Mais de 22 milhões de crianças no mundo, cerca de uma em...
Read More

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *